23 de fev de 2011

" Mulher equilibrista, por Danuza Leão"*

Li esse texto no blog da Grace vidadeequilibrista.blogspot.com, no qual vale muito a pena visitar, e resolvi copiar, veja se realmente a Danuza Leão não tem razão??
Boa leitura!!

"Quantas mentiras nos contaram; foram tantas, que a gente bem cedo começa a acreditar e, ainda por cima, a se achar culpada por ser burra, incompetente e sem condições de fazer da vida uma sucessão devitórias e felicidades.

Uma das mentiras:

É a que nós, mulheres, podemos conciliar perfeitamente as funções de mãe, esposa, companheira e amante, e ainda por cima ter uma carreira profissional brilhante.

É muito simples: não podemos.

Não podemos; quando você se dedica de corpo e alma a seu filho recém-nascido, que na hora certa de mamar dorme e que à noite, quando devia estar dormindo, chora com fome, não consegue estar bem sexy quando o marido chega, para cumprir um dos papéis considerados obrigatórios na trajetória de uma mulher moderna: a de amante.

Aliás, nem a de companheira; quem vai conseguir trocar uma idéia sobre a poluição da Baía de Guanabara se saiu do trabalho e passou no supermercado rapidinho para comprar uma massa e um molho já pronto,para resolver o jantar, e ainda por cima está deprimida porque não teve tempo de fazer uma escova?

Mas as revistas femininas estão aí, querendo convencer as mulheres - e os maridos - de que um peixinho com ervas no forno com uma batatinha cozida al dente, acompanhado por uma salada e um vinhozinho branco é facílimo de fazer - sem esquecer as flores e as velas acesas, claro, e com isso o casamento continuar tendo aquele toque de glamour fun-da-men-tal para que dure por muitos e muitos anos.

Ah, quanta mentira!

Outra grande, diz respeito à mulher que trabalha; não à que faz de conta que trabalha, mas a que trabalha mesmo. No começo, ela até tenta se vestir no capricho, usar sapato de salto e estar sempre maquiada; mas cedo se vão as ilusões. Entre em qualquer local de trabalho pelas 4 da tarde e vai ver um bando de mulheres maltratadas, com o cabelo horrendo, a cara lavada, e sem um pingo do glamour - aquele - das executivas da Madison.

Dizem que o trabalho enobrece, o que pode até ser verdade. Mas ele também envelhece, destrói e enruga a pele, e quando se percebe, a guerra já está perdida. Não adianta: uma mulher glamourosa e pronta a fazer todos os charmes -aqueles que enlouquecem os homens - precisa, fundamentalmente, de duas coisas: tempo e dinheiro.

Tempo para hidratar os cabelos, lembrar de tomar seus 37 radicais livres, tempo para ir à hidroginástica, para ter uma massagista tailandesa e um acupunturista que a relaxe; tempo para fazer musculação, alongamento, comprar uma sandália nova para o verão, fazer as unhas, depilação; e dinheiro para tudo isso e ainda para pagar uma excelente empregada - o que também custa dinheiro.

É muito interessante a imagem da mulher que depois do expediente vai ao toalete - um toalete cuja luz é insuportavelmente branca e fria, retoca a maquiagem, coloca os brincos, põe a meia preta que está na bolsa desde de manhã e vai, alegremente, para uma happy hour.

Aliás, se as empresas trocassem a iluminação de seus elevadores e de seus banheiros por lâmpadas âmbar, os índices de produtividade iriam ao infinito; não há auto-estima feminina que resista quando elas se olham nos espelhos desses recintos.

Felizes são as mulheres que têm cinco minutos - só cinco - para decidir a roupa que vão usar no trabalho; na luta contra o relógio o uniforme termina sendo preto ou bege, para que tudo combine sem que um só minuto seja perdido.

Mas tem as outras, com filhos já crescidos: essas, quando chegam em casa, têm que conversar com as crianças, perguntar como foi o dia na escola, procurar entender por que elas estão agressivas, por que o rendimento escolar está baixo.

E ainda tem as outras que, com ou sem filhos, ainda têm um namorado que apronta, e sem o qual elas acham que não conseguem viver. Segundo um conhecedor da alma humana, só existem três coisas sem as quais não se pode viver: ar, água e pão.

Convenhamos que é difícil ser uma mulher de verdade; impossível, eu diria.

Parabéns para quem consegue fingir tudo isso ...."
Danuza Leão

21 de fev de 2011

14 de fev de 2011

8 meses e 14 dias, O Tombo!!!!





Na sexta feira passada eu fui tirar o Antonio do carro no bebê conforto e a alça não travou... e o bebê conforto virou e meu pimpolho foi de testa no chão...aiiiii ele chorou muito foi o tombasso, graças a Deus não foi de uma altura elevada e ele apenas teve um galo na testa (um galinho), ficou roxinho tb!!!! me senti a pior mãe do mundo, a mais desastrada, foi horrivel!!! Mas ja está tudo bem, no dia fiz compressa com gelo e dei umas gotinhas de dipirona, não achei necessidade de levar a pediatra, por logo ele melhorou.
Ai pensando mais no assunto sobre bebês conforto, cadeirinhas para auto e etc li algumas materias sobre isso e vou postar a mais completa.
Fica ai a dica às novas mamães!!!

No site brasil babycenter diz assim:

Preciso mesmo usar cadeirinha no carro?

O uso da cadeirinha de carro agora é obrigatório no Brasil e quem não utilizá-la será punido com multa. Mais importante que a obrigatoriedade por lei, porém, é a segurança do seu filho. Segundo dados do SUS (Sistema Único de Saúde), em 2005 acidentes de transporte mataram 573 crianças de 0 a 4 anos no Brasil -- e o número pode estar subestimado.

Grande parte dos acidentes acontece perto de casa, em ruas onde a velocidade não passa de 60 km/h. O corpo das crianças é frágil, e as cadeirinhas são projetadas para segurá-las nos pontos mais resistentes do organismo, de modo a causar o mínimo de ferimentos internos.

O próprio impacto com o cinto de segurança, quando ele está na posição inadequada, ou muito largo, pode causar lesões nos órgãos e levar à morte.

Por isso, usar cadeirinha de carro para crianças deve ser um procedimento automático, como usar o cinto de segurança é para os adultos. Acostume seu filho desde pequeno a sempre usar a cadeirinha. Ele não vai estranhar -- vai simplesmente achar que é assim que as coisas funcionam.

Fiquei confusa com a variedade de cadeirinhas na loja. Qual é adequada para que idade?
Existem três tipos principais de poltronas para crianças. Em termos de segurança, mais que a idade, o que interessa é o peso e a altura do seu filho, em relação ao que está escrito no manual de cada cadeirinha.

- Bebê-conforto: São cadeirinhas adequadas para bebês recém-nascidos até cerca de 9 kg (algumas até 13 kg), mais reclinadas, e que devem ser colocadas de costas para o banco da frente do carro. Muitas vezes esses modelos possuem uma base que fica acoplada ao cinto de segurança, o que facilita a retirada da cadeirinha.

Esse tipo de bebê-conforto, com cinto de segurança interno de cinco pontos, encaixa na maioria dos carrinhos, o que significa que você pode tirar o bebê do carro dormindo, com cadeirinha e tudo, sem ter que incomodá-lo ou acordá-lo. São os chamados "travel systems".

A desvantagem é que, depois que a criança chega ao limite de peso (9 kg ou até 13 kg), é necessário comprar outra poltrona. Se a criança ainda não tiver 1 ano, a nova cadeira terá de ser do tipo reversível (leia a seguir).

- Poltronas reversíveis: São cadeirinhas projetadas para carregar desde recém-nascidos até crianças de cerca de 16 kg ou mais, dependendo do modelo. Enquanto o bebê é pequeno, esses modelos são instalados de costas para o banco da frente do carro. Essa é a posição mais segura, porque protege o pescoço do bebê em caso de impacto.

Antigamente a orientação era para que a poltrona fosse virada para a frente quando o bebê completasse 1 ano e atingisse 9 kg, mas hoje em dia fabricantes e especialistas recomendam que se mantenha a criança virada para trás pelo máximo de tempo possível (até o limite de peso de cada modelo). Um ano de idade e 9 kg é, então, o mínimo.

Essas poltronas têm cintos de segurança de cinco pontos, mas também existem modelos que se transformam em "boosters" para que a criança use o próprio cinto do carro (leia abaixo).

Existem também poltronas não reversíveis, que só podem ser usadas viradas para a frente. Essas só podem ser usadas com crianças de mais de 1 ano e mais de 9 kg. Confira sempre o manual antes de comprar.

- Poltronas para o posicionamento do cinto do carro (boosters): São poltronas ou "banquinhos" que servem para a criança ficar mais alta e dessa forma usar o cinto normal do carro na posição correta.

Esse tipo de assento de elevação pode ou não ter encosto. No caso dos sem encosto, é necessário que o carro tenha proteção para a cabeça, que evita o efeito de "chicote" em caso de acidente, um grande causador de lesões na medula espinhal.

Os assentos de elevação com encosto têm a vantagem de posicionar melhor a parte superior do cinto, pois costumam ter "passantes" e ser ajustáveis à altura da criança. Só podem usar esse tipo de poltrona crianças com mais de 4 anos de idade, segundo a resolução do Contran, mas não tenha pressa de fazer a mudança.

A legislação brasileira afirma que esse tipo de cadeira é obrigatório para crianças de até 7 anos e meio, mas o ideal é que ela seja usada até a criança ter 1,45 m de altura. A partir daí ela pode passar a utilizar o cinto normal do banco, sem assento.

Não basta ter a cadeirinha. É preciso saber instalar e usar
Instalar a cadeirinha do carro não é tarefa fácil. É preciso passar o cinto de segurança do veículo pelos locais indicados no manual de instrução do assento (nem sempre muito bem explicado) e apertar bem, até que a cadeira praticamente não se mexa. Para isso, você ou seu companheiro terão que literalmente subir na cadeira, para forçá-la contra o estofado e garantir que a instalação esteja realmente firme.

De acordo com especialistas, o melhor lugar para a instalação da cadeirinha é no assento do meio do banco traseiro, para diminuir o risco de um impacto no caso de acidentes. Sempre que possível, reserve esse lugar para a criança mais nova.

Não adianta ter a cadeirinha e não prender seu filho direito. O cinto da cadeirinha precisa ser colocado de forma que apenas um dedo caiba entre o cinto e o corpo da criança, ou seja, o cinto precisa ficar justo.

Você saberá que ele está bem colocado se não conseguir "pinçar" o tecido usando os dedos polegar e indicador. O motivo disso é que, se o cinto estiver largo, além de a criança poder se soltar, no caso de acidente haverá um forte impacto do corpo dela com o cinto, o que já é suficiente para provocar lesões graves.

Em outros países, como nos Estados Unidos, os carros são equipados com um sistema, chamado LATCH, que facilita a instalação das cadeirinhas. No Brasil o sistema não é obrigatório, portanto você vai precisar instalar o equipamento com o cinto de segurança do veículo.

A regularidade no uso também é essencial. Não use a cadeirinha só para viajar, ou apenas em distâncias mais longas. Acostume seu filho a usá-la sempre, nem que seja para ir até a esquina.

Leia mais sobre os principais erros que as pessoas cometem na hora de usar a cadeirinha do carro.

Veja também qual é o momento certo de trocar de cadeirinha.

Não posso carregar meu recém-nascido no colo, no banco de trás?
Não. O corpo do adulto acaba esmagando a criança na hora do acidente, em vez de protegê-la. A legislação do Contran determina que todas as crianças usem a cadeirinha até os 7 anos e meio, ou seja, recém-nascidos também estão incluídos.

Seu filho deve sair da maternidade já bem amarradinho na cadeirinha. Você pode até treinar antes de ele nascer, instalando a poltrona e colocando e tirando um boneco para ir se acostumando com os fechos. Inclua a cadeirinha na lista de coisas a comprar durante a gravidez.

Exatamente o que determina a legislação brasileira?
Em boa parte dos países desenvolvidos o uso da cadeirinha já era obrigatório havia anos quando o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) divulgou, em 2008, a determinação obrigando ao uso desse tipo de assento no Brasil.

A lei foi criticada por especialistas por ser branda demais e determinar a obrigatoriedade por idade, em vez de por altura e/ou peso, que são parâmetros mais exatos. Ela também isenta veículos de transporte escolar e de transporte coletivo, como táxis e ônibus, da obrigatoriedade.

Leia abaixo os principais pontos da resolução do Contran:

• Crianças de 0 a 1 ano têm que usar bebê-conforto ou poltrona reversível voltados para a traseira do veículo.

• Crianças de 1 a 4 anos têm de usar cadeirinha.

• Crianças de 4 a 7 anos e meio têm de usar assento de elevação, ou "booster", com o cinto de segurança de três pontos do carro.

• Crianças de 7 anos e meio a 10 anos devem viajar no banco traseiro com o cinto de segurança do veículo.

• Se houver mais de três crianças abaixo de 10 anos no carro, a mais alta pode ir no banco da frente com o dispositivo de retenção adequado (cadeirinha ou booster, se tiver menos de 7 anos e meio) para sua altura e peso. O mesmo se aplica a carros que não tenham banco traseiro ou em que não seja possível instalar cadeirinhas. Especialistas, porém, não recomendam que crianças viajem no banco da frente.

Crianças não podem viajar em assentos que contem com airbag. O airbag precisa ser desativado.

• Montadoras e fabricantes de veículos podem estabelecer restrições extras ao uso de cadeirinhas, e essas restrições devem constar do manual do carro

4 de fev de 2011

8 meses e SAPINHO???!!!!!!


Olá meninas,

Antonio completou 8 meses dia 31/01 e o presente foi... sapinho na boca (candidiase oral).

Segundo o site saudeinformacoes.com.br, O sapinho, ou monilíase, é uma infecção fúngica bucal. É causada por um fungo semelhante a uma levedura, Candida albicans, que também pode provocar assadura e vaginite. O sapinho é geralmente visto em crianças com menos de seis meses. Em crianças mais velhas, é muito menos comum e sua ocorrência pode indicar uma doença grave, como uma deficiência imunológica.
O sapinho aparece como pontos brancos, escamosos, semelhantes a queijo, que cobrem toda ou parte da língua e das gengivas, a parte interna das bochechas e, às vezes, os lábios. Esses pontos não saem facilmente. Quando se cutuca ou arranha esses pontos, forma-se uma área vermelha e inflamada que pode sangrar. Os coalhos de leite parecem sapinho, mas saem facilmente sem deixar a área machucada. A dor do sapinho pode interferir na alimentação. Pode fazer com que seu bebê perca o apetite.
O sapinho geralmente não causa maiores complicações, mas deve ser tratado para evitar uma infecção longa e crônica. Se a dor da infecção impedir que seu bebê tome uma quantidade suficiente de líquidos, é necessário um tratamento drástico. A alimentação insuficiente pode comprometer as necessidades de hidratação e nutrientes. Se estiver amamentando seu bebê, é possível que ele transmita o sapinho para um ou ambos os bicos do seio. Os bicos dos seios com sapinho ficarão vermelhos, inchados e sensíveis e poderão rachar. Também pode haver coceira, escamação e ardência.
Se o sapinho for acompanhado de febre, tosse ou problemas estomacais, consulte seu médico. Podem ser sinais de um sistema imunológico comprometido.

No tratamento, O medicamento mais comumente receitado para sapinho é um anti-fúngico líquido, como nistatina, dado quatro vezes ao dia, até que a infecção seja debelada. Você pode pincelar a boca do seu bebê com esse medicamento ou esguichar delicadamente o líquido na sua boca com um conta-gotas ou uma seringa. Os bebês podem sugar o medicamento diretamente de uma seringa. Devido ao alto conteúdo de açúcar da nistatina, deve-se ter cuidado ao ministrar este remédio a uma criança que já tenha dentes. O uso prolongado pode causar cáries.
A lactante cujo bebê tem sapinho também deve ser tratada com nistatina. Para evitar um efeito "pingue-pongue" - no qual a infecção passa do bebê para a mãe e vice-versa - a pomada de nistatina pode ser aplicada nos bicos dos seios da lactante. Não há nenhum problema na ingestão de um pouco de nistatina dos bicos dos seios.
Para diminuir a dor da infecção e ajudar seu bebê a mamar de forma mais confortável, um analgésico pode ser útil. Siga as orientações de seu médico sobre dosagem apropriada para a faixa etária e o peso do seu filho.
A violeta de genciana em uma solução de 1% pode ajudar a debelar o sapinho. É uma tintura roxa, que pode ser pincelada no interior da boca do seu bebê e, se necessário, nos bicos dos seus seios. Cuidado ao aplicá-la - pode manchar.
Bicarbonato de sódio - Dissolver uma colher das de café em ¼ de litro de água (250ml) e aplicar com um cotonete, ou com o dedo envolvido em gaze, na boca do bebê.

A mãe que estiver amamentando um bebê com sapinho deve reduzir drasticamente a quantidade de açúcar na sua dieta ou, melhor ainda, eliminá-lo totalmente. O fungo prolifera no açúcar.
Reduzir ou eliminar gorduras também pode ser útil, com uma exceção a se observar: a dieta com azeite de oliva prensado a frio, não cozido, pode inibir a multiplicação da levedura.

Os nutrientes antioxidantes betacaroteno, vitamina C, vitamina E, zinco e selênio podem ajudar a tratar a levedura na lactante. Siga as orientações sobre dosagem indicadas no rótulo do produto.
Observação: Quantidades excessivas de zinco podem resultar em náusea e vômito. Cuidado para não exceder a dose recomendada.
O ácido caprílico, um ácido graxo de cadeia curta, ajuda a matar a levedura. A lactante pode tomar uma cápsula, duas a três vezes ao dia.
Os Lactobacillus acidophilus e bifudus são bactérias benéficas que ajudam o organismo a livrar-se do fungo. Siga as orientações sobre dosagem indicadas no rótulo do produto para a mamãe e/ou bebê

Na homeopatia, para o sapinho acompanhado de agitação e/ou fadiga, experimente uma dose de Arsenicum album 9ch, três vezes ao dia, durante até três dias.
Se seu bebê tiver sapinho e geralmente apresentar calor, experimente dar-lhe uma dose de Sulfur 9ch, três vezes ao dia, durante até dois dias.
Se seu filho ficar com sapinho após tomar uma vacina, experimente uma dose de Thuya 30ch.

As lactantes devem manter seu consumo de açúcar refinado a um nível moderado ou baixo. Tomar chá de gengibre nas refeições também pode ser útil.
Os antibióticos alteram a flora normal da boca e do corpo, predispondo o bebê ao sapinho, ao permitir o crescimento excessivo de Candida. Para manter as bactérias benéficas que ajudam a controlar a presença de Candida no organismo, a lactante deve comer iogurte regularmente ou suplementar sua dieta com Lactobacillus bifidus ao tomar antibióticos. Se o bebê que toma mamadeira estiver sendo tratado com antibióticos, acrescente Lactobacillus bifidus ao leite.
Nunca subestime a importância da higiene simples a prática. A lactante deve evitar que seus seios fiquem úmidos durante muito tempo, mantendo-o secos entre as mamadas e deixando-os "arejados" durante algum tempo. Se for necessário limpá-los, use água com um pouco de água oxigenada. Os bebês que tomam mamadeira às vezes contraem sapinho como resultado de sugar chupetas ou bicos de mamadeira inadequadamente limpos (muitas vezes conseqüência de deixá-los cair e depois colocá-los novamente na boca), além de uma dieta rica em sucos de frutas ou depois de um tratamento antibiótico para infecção de ouvido. Para evitar isso, tenha sempre à mão um grande suprimento de bicos de borracha, chupetas e/ou objetos para dentição limpos ou lave-os com água oxigenada e enxágue-os na água antes de dá-los novamente ao seu bebê.


Bem, o Antonio não teve febre, mas teve muita dificuldade em se alimentar direito, comia quase nada durante quase uma semana, a lesão sumiu rapido, e ele voltou a comer bem, graças a Deus!
Fora isso ele ja esta quase engatinhando, fica de quatro, escala de joelhos o sofá, acredito que esse mês ele comece a engatinhar, aprendeu a bater palminhas...uma graça!! e cada dia mais apaixonado por musica, ele para tudo quando passa propaganda de cd e dvd na televisão, comprei pra ele o dvd do PATATI PATATA, e claro ele amou!!!
Falando da alimentação, ele realmente não toma mais leite na mamadeira, somente se eu fizer um mingau de mucilon ou farinha lactea, e com isso ele engordou bem esse mês.
Estamos começando a planejar o aniversário dele, vamos fazer em São Paulo na casa do meu pai, quero fazer o tema "Circo", agora em março vou passar o aniversário do meu pai la com ele ai faço orçamento nos buffets de lá!!!
Um grande beijo a todas!!!