5 de set de 2010

3 meses e o período Simbiótico!!

Dia 31/08 ele completou 3 meses, e no dia 28/08 fomos a um churrasco na casa de um colega do João, na escada do prédio encontramos um vizinho nosso que é delegado, e ele estava com boné preto e colete a prova de balas, quando o Antonio olhou pra ele, começou um berreiro, mas pense num berreiro, ele nunca tinha estranhado ninguém, e só chorou (berrou) daquele jeito na reação da vacina dos 2 meses. Eu não sabia o que fazer, por que nada o acalmava, nem colo, nem o peito, nem na cama, no carrinho...aff!!!
Dei umas gotinhas de lisador po que achei que ele estava com dor, e depois de 40 min. BERRANDOOOOO, ele se acalmou, como se nada tivesse acontecido....ufa! e seguimos para o churrasco, mas ficamos pouco tempo.
Uns dias antes ele ficou dois dias chatinho, só chorava, queria ficar no colo o tempo todo, mamou pouco, ai eu fui pesquisar sobre essa mudança repentina no comportamento dele, pois ele sempre foi muito tranquilo.
No site www.bebe.com.br li o seguinte:

As quatro crises do crescimento dos bebês: (mas só vou relatar a primeira crise)

Até completar 15 meses, a criança passa por quatro períodos críticos. Para entender por que isso acontece e quais são os sintomas, primeiro você precisa saber que a crise é algo que ajuda a crescer, ou seja, não é necessariamente algo ruim. Especialistas esclarecem as principais dúvidas e indicam como se deve agir quando a situação se apresenta.

PRIMEIRO TRIMESTRE: PERÍODO SIMBIÓTICO
Como começa a crise do primeiro trimestre?
A chegada aos 3 meses é um momento tão marcante que alguns autores falam de dois nascimentos: o biológico, que é o dia do parto, e o psicológico, que acontece quando o bebê completa 3 meses. Esse primeiro trimestre de vida é o que se chama de período simbiótico. “Para a criança, mãe e filho significam uma única palavra ‘mãefilho’. É assim que ela entende: como se fossem uma única pessoa”, diz, brincando, Leonardo Posternak, pediatra de São Paulo. A partir dos 3 meses, o bebê passa a olhar no olho da mãe, começa a se divertir, imita alguns gestos. Ele começa a sentir que a mãe não é só um bico de peito e, assim, começa a construir a imagem do outro.“É nesse período que a criança percebe que não está enroscado no tronco da árvore – que é a mãe. Ele está perto da árvore. Entende que precisa chamá-la para ter o que necessita – leite, colo ou fraldas limpas. Nessa hora, bate a ansiedade. É como se ela pensasse: ‘E agora? E se eu chamar e ninguém escutar? E se esse outro vai embora, o que eu faço?’ É aí que começa a crise”, explica Posternak.

Como saber se o filho está passando por uma crise?
A melhor maneira é ouvir o pediatra. “Algumas mães chegam ao consultório reclamando que há três dias o filho estava ótimo e, de repente, não quer mais mamar e tenta se afastar quando elas dão o peito. Outras reclamam que o bebê estava dormindo bem, mas, depois dos 3 meses, isso mudou. Ele acorda várias vezes chorando”, diz Leonardo Posternak, pediatra de São Paulo. “Há ainda as mães que reclamam que o bebê fica agitado sem motivo. Não quer ficar no colo, no berço, no bebê-conforto. Parece não estar confortável com nada que é oferecido”, continua. As queixas normalmente são parecidas e o seu pediatra saberá dizer se o bebê está com algum problema de saúde ou atravessando uma crise.

Quanto tempo dura a “crise do fim do período simbiótico”?
Essa crise dura em torno de 15 dias.

Nesse período, os bebês precisam ser medicados?
Não. Quando a criança atravessa uma crise, é muito importante que ela não seja medicada. “As mães sempre chegam ao consultório achando que a razão do desconforto tem algum aspecto orgânico: cólica, falta de leite, dente nascendo. Então explico que se trata de uma crise, um momento excelente para o crescimento”, ensina Leonardo Posternak, pediatra de São Paulo.

O que os pais devem fazer durante a crise?
Eles devem ficar calmos e entender que esse período vai passar. “Conhecendo os sintomas, os pais precisam dominar a ansiedade para que a criança não tenha que atravessar esse momento complicado num ambiente angustiante. Lembre-se de que o seu bebê precisa passar por essa crise para poder crescer”, explica o pediatra Leonardo Posternak, de São Paulo

2 comentários:

  1. Tudo o que eu precisava ouvir!! Estamos passando exatamente por essa situação!
    Obrigada.
    Carol

    ResponderExcluir
  2. NOSSA MINHA BEBÊ ESTÁ PASSANDO PELO PERIODO SIMBIÓTICO.... É MUITO DIFÍCIL, POIS ELA CHORA SEM MOTIVO ( CHORA PARA DORMIR E CHORA QUANDO ACORDA ), NÃO SEI O QUE FAZER KKKKK

    ResponderExcluir