8 de set de 2011

1 ano e 3 meses, Ansiedade da separação


Olá meninas,

Dentre varias mudanças que acontecem com os bebês desde seu nascimento,uma que é marcante é a ansiedade da separação, que nada mais é que o bebê começando a entender que ele e a mãe são pessoas independentes e diferentes, isso gera uma certa ansiedade no bebê, que quando a mãe sai de perto dele ele abre um berreiro achado que será abandonado.
Isso começa por volta dos 8 meses e pode durar até os 18 meses, e claro o Antonio esta no ápice dessa fase chatinha porém muito importante para o desenvolvimento e amadurecimento dele*.
No inicio (por volta dos 8 ou 9 meses)era mais brando, ele chorava um pouquinho quando eu saia de perto, estranhava algumas pessoas, mas acontecia de vez em quando. A medida que os meses foram passando isso foi aumentando, e hoje, ele com 1 ano e 3 meses, ele esta no auge dessa fase. Acredito que o fato de eu estar trabalhando fora contribui para ele estar assim, tããõooo apegado a mim.

Toda hora me pede colo, onde eu vou pela casa la esta ele atrás de mim, até na hora de ir ao banheiro..rsrsrs, quando eu ou o pai dele saímos de casa ele chora bastante.
Isso também está afetando o sono noturno, várias vezes ele acorda de madrugada chorando como se estivesse com medo, ai eu coloco a chupeta na boca dele, deito ele no berço, passo a mão nas costas dele e ele volta a dormir, algumas vezes eu tenho que pegá-lo no colo para ele se acalmar e adormecer novamente.

Nós como pais temos que ter muita paciência e sabedoria para lidar com as crianças nesta fase, quando conhecemos o que se passa em cada fase de nossos filhos podemos interagir de forma a trazer segurança e tranquilidade a eles, pensando em tudo que já passei nesses apenas 15 meses de maternidade, vejo como é importante a informação a cerca do desenvolvimento dos pequeninos. E um dos objetivos deste blog é levar(e também trocar) conhecimento e informação a outros pais que passam pela mesma fase que eu, meu marido e meu filho.

Enfim, a cada dia vejo meu bebê crescer e amadurecer, e cada fase é um crescimento e
aprendizagem para nós todos da família, olha de coração eu digo, haja saúde mental e física...rsrs mas não trocaria nada no mundo pelo prazer e a felicidade de ser mãe;

Eu li este artigo sobre o assunto e para enriquecer este post, ai vai....
beijão a todos

Fofo, risonho e simpático, o nenê é muito social até por volta dos 8 meses, quando começa a ter uma atitude desconcertante: recusar o colo que não seja da mamãe, do papai ou da babá. A rejeição pode incluir até parentes próximos, como avós e tios. Embora todos admitam que essa é uma reação normal dos pequenininhos, poucos sabem que se trata de um sinal da chamada ansiedade da separação, a qual, apesar do nome, é uma demonstração saudável de amadurecimento. Segundo a psicanalista Cristina Seguim, a recusa de contato é o auge de um processo de auto-reconhecimento e apego que começa no nascimento do bebê. Acontece que, nos primeiros meses, o nenê ainda se confunde com a mãe. Como não tem consciência de si mesmo, também não discrimina as pessoas; vai com todo mundo. Mas, à medida que amadurece, começa a perceber que é um outro indivíduo, separado da mãe. Ao mesmo tempo, seus vínculos afetivos já estão sólidos. Agora que identifica aqueles a quem está mais ligado, o bebê fica receoso ao se afastar deles.


Estilo próprio

"Essa é uma etapa normal e passageira", afirma Vera Valverde, neonatologista da Maternidade Santa Joana, em São Paulo. E que acontece de forma diferente entre os bebês, dizem as especialistas. Os mais expressivos podem chorar alto; os mais discretos só demonstram uma certa tensão. Esse jeito próprio não depende muito do estilo de criação, mas é claro que a tranqüilidade dos pais facilita a situação. Até porque a ansiedade vai diminuindo e a separação vai se consolidando naturalmente enquanto o filho cresce e adquire novas habilidades, como andar e falar. "Embora seja uma reação de desconforto, a ansiedade deve ser saudada como sinal de que o bebê está amadurecendo também afetivamente", observa Cristina. Antes disso, ele demonstra capacidade de reconhecimento num aspecto mais básico: por volta dos 4 meses, começa a protestar contra as mudanças na rotina de cuidados. Por isso, as mães ou as babás explicam que ele gosta do banho assim, ou qual é o truque para fazê-lo dormir. "Se alguém fizer diferente, ele se ressente e chora. A voz da mãe, porém, é suficiente para acalmá-lo, o que é outro sinal de reconhecimento", explica Cristina. "Mas aí a reclamação ainda é só por cuidados; na ansiedade da separação, já é pela presença dos pais", completa.

Rotina tranqüila

Embora faça parte do processo natural de amadurecimento, o momento em que o nenê está recusando contato fora do âmbito doméstico não é o mais indicado para fazer mudanças radicais na sua rotina e no seu círculo de relações. "Se for possível evitar, esse não é um bom período para o bebê entrar na creche ou mudar de babá", observa a psicanalista Cristina Seguim. A adaptação é mais fácil quando o estranhamento já foi superado e a criança é capaz de estabelecer novos contatos.
www.revistacrescer.globo.com


4 comentários:

  1. Olá, estou passando por aqui, para convidar você para conhecer meu DOCE blog.

    Quando puder passe por lá, vai ser prazer ter sua companhia.

    www.tatidesigner.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá Anna Clara
    Primeiramente adorei saber que vc já morou em CG e o pequeno nasceu aqui, muito obrigada pela visita e volte sempre que quiser pois já é bem-vinda. Qto ao post meu filho tem 8 meses e está exatamente nessa fase, eu já tinha percebido a mudança de comportamento dele mas bem legal ler esse post pois agora sei a explicação para esse "grudinho" todo com a mamãe. Bjão!

    ResponderExcluir
  3. Cada fase desses pequenos é mais apaixonante que a outra né??
    Adorei seu blog, estou seguindo vc!!
    Passa lá no meu, vou te esperar!!

    bjos
    www.petitninos.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Anna.

    Meu nome é Caio, e felizmente encontrei o seu blog, li e amei todas as sua façanhas na criação do seu filho tenho uma filha chamada Lara e me identifiquei com todo o processo por qual você tem passado, pois além de amar muito minha filha sou um pai muito presente. Deixando de lado a brincadeira, rsrsrsrsrs, estou fascinado com seu desempenho, carinho e dedicação na criação deste blog e te admirando cada vez mais. Entretanto, como você postou anteriormente ter o melhor marido do mundo saiba que disso não tenho dúvida nenhuma pois João para mim é exemplo de ser humano, mas atrás de grandes homens há grandes mulheres então ter um maridão desse é mérito seu também. Nunca tive a oportunidade de te dizer isso, escrevendo também é até mais fácil, seja bem vinda a família, boa sorte fiquem com Deus e saiba que quero muito bem a vocês. Saudades.

    ResponderExcluir