26 de fev de 2012

A primeira palmada no Antonio

Hoje Antonio me tirou do serio,ha alguns dias venho notando que ele esta mais birrento, manhoso, etc, mas junto com a manha ele ta fazendo ânsia para vomitar, só que hoje ele nesse teatro, conseguiu vomitar de verdade... Foi assim, dei banho e o mingau da noite para colocá-lo para dormir, e ele me viu fervendo a chupeta dele, e quis a chupeta e eu disse a ele, primeiro vamos escovar os dentes, e ele começou a chorar...
Peguei ele chorando se debatendo e fui escovar os dentes dele, ai ele começou a fazer ânsia de vômito, e dei uma bronca para ele parar, ele se debatendo, chorando vomitou praticamente todo o mingau... ai eu me estressei e bati nele, dei uns tapas na perna dele!!! ele parou de chorar e de vomitar na hora, dei outro banho nele,com a cara fechada e ele me olhando com cara de cão arrependido, e eu fiz que nem era comigo, o menino ficou um anjo...rsrsrs, coloquei roupa nele e falei brava de novo, se você fizer isso outra vez eu te bato de novo, e ele me olhando com cara de menino abandonado.
Eu nunca fui contra umas palmadas na bunda, mesmo sendo psicóloga, acredito que umas palmadas não faz mal a ninguém, claro, sou contra espancamento, mas uma chinelada na bunda de vez em quando não mata ninguém, muito pelo contrário, acredito que ajuda muito a ensinar limites a crianças, muita gente me condena por pensar assim, mas em casos extremos de birra e manha, CHINELO NA BUNDA!!!!
A Bíblia diz em Provérbios 23:13 e 14 "Não retires a disciplina da criança; pois se bateres com a vara, nem por isso morrerá.
Tu castigará com a vara, e livrarás a sua alma do inferno."
O Estatuto da criança e do Adolescente já diz que é inaceitável qualquer tipo de agressão física para educar uma criança. E existe pena para os pais que derem palmadas para educar seus filhos.
Mas se pararmos pra pensar,por causa disso muitas crianças sem limites entram nas escolas armadas, usam drogas desde cedo, atacam homossexuais e etc... por outro lado o ECA protege crianças exploradas e espancadas por seus pais.
Quando eu era criança,levei muitas chineladas e cintadas e nem por isso virei uma desequilibrada, a criação que minha mãe me deu foi maravilhosa e "apanhar" fez parte disso;
Você pode me perguntar, doeu sua consciência? Eu respondo de coração, nem um pouco!!! Sempre tive em mente que quero criar meu filho para ele se dar bem no mundo la fora e a frustração, os nãos fazem parte disso, se para meu filho não virar um mimado, cheio de vontades, violento, preconceituoso eu tiver que dar umas chineladas no bum bum dele, assim farei.

28 comentários:

  1. Oi Ana Clara!
    estava passeando de blog em blog e acabei aqui no seu cantinho.
    Vc foi muito corajosa nesse post. Essa questão realmente é bem polêmica, mas na minha opinião, não há conselhos melhores do que os que são encontrados na Bíblia.
    Eu assino embaixo e, como mãe de um pequeno de 1 ano e 3 meses, concordo que isso faz parte do que conheço como impor limites.
    Também levei uma palmadas quando criança, mas isso de nada interferiu no meu equilíbrio e caráter.
    Eu educo com amor, e nada que me disserem vai me demover do que considero o melhor pro meu filho.
    Falta de limites e falta de educação é a receita pra criar esses jovens e crianças que a gente têm visto por aí: perdidos, violentos, autoritários, egocentristas, sem respeito aos outros nem a sí mesmos...

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. nossa concordo em genero numero e grau.
    tb quando era criança apanhei sim, nao virei ma pessoa, nao virei agressiva, estupida e nada disso. hoje sou casad tenho um filho lindo de 2 e 3 meses estudo enfermagem e nao vejo que isso me causou mal algum.
    aki em csa nao gosto de bater mais se precisar ganha sim um tapa para aprender
    que tudo na vida tem limites e consequncias aprontou conversei nao deu jeito tapa para aprender. SOU TOTALMENTE CONTRA ESPANCAR FERIR E HUMILHAR.MAIS tapinha na perna e chinelda faz efeito enorme. bjos

    me perdoe pelo anonimo pois nao tenho blog fika na paz
    aline mae do henrique

    ResponderExcluir
  3. Penso assim também, Anna. Vejo que muitas mães ficam confusas quanto ao que fazer para impor os limites necessários aos seus filhos. A Bíblia é um ótimo manual. Escrevi a um tempo atrás sobre a primeira palmada que tive que dar no Arthur.

    http://marianamaedeprimeiraviagem.blogspot.com.br/2010/05/1-ano-e-10-meses-ou-da-primeira-surra.html

    Bjs,
    Mariana

    ResponderExcluir
  4. Olá..enfim uma Psico que além de td é um ser humano..rsrsrs qdo surgiu essa lei, eu pensei..A psicóloga q falou dela na tv não tinha filhos..ou tinha babas...rsrsrsrsrs Parabéns,,,,

    ResponderExcluir
  5. Apoiadíssima!!! Estou grávida de 4 meses e também apanhei um bocado quando era criança mas uma coisa que sempre me lembro é de minha mãe me contando que todos ficavam boquiabertos com a minha educação. Eu já deixei de convidar diversas pessoas à minha casa pela falta de educação dos filhos. Vou seguir o exemplo da minha mãe!!

    ResponderExcluir
  6. Vc é maravilhosa! Meu filho tb se chama Antonio e, ontem, pela primeira vez, quando lhe dei uma palmada, não fiquei com a consciência pesada ( ele tinha passado dos limites). E depois, foi exatamente, igual ao seu Antonio: sossegou, colocou o pijama e foi dormir. Somente disse a ele: "fiz isso porque vc já estava se comportando mal há mais de 3 horas e amanhã vc tem escolinha. Vc não quer brincar com os seus coleguinhas?". Me deu beijo e dormiu. Mas, eu precisava ler este post para entender que não sou a única. E tb levei as minhas palmadas, e nem por isso deixei de amar a minha mãe e de sermos amigas.

    ResponderExcluir
  7. Realmente, vc foi mto corajosa. Nesse mundo cada vez mais politicamente correto cheio de regras vemos cada vez mais crianças e jovens sem limites, sem saber o que é respeito ao próximo. Palmadas são um mal necessário, e mães são humanas e as vezes perdem a paciência, é normal.

    ResponderExcluir
  8. Olá Anna! Hoje dei uma palmada na minha filha e fiquei me perguntando se estava certa fazendo isso!!! Vc acaba de me lembrar uma regra básica de nossas vidas: a Palavra de Deus é nossa resposta para tudo!!!! Obrigada

    ResponderExcluir
  9. Concordo, não sou a favor em bater muito menos em surra mais um tapa quando a criança passa dos limites e você já tentou de tudo e ela continua desafiando o tapa funciona sim. Tenho um filho de 3 anos nunca bati nele até o dia em que ele mereceu um tapa na perna porque já tinha conversado ,ficado de castigo sobre o mau comportamento e nada, continuava desobediente depois do tapa ele não repetiu mais.,

    ResponderExcluir
  10. Eu também concordo pois agora tenho 11 anos apanhei quando pequeno e sou educado então acho certo sim bater nos filhos quando necessário

    ResponderExcluir
  11. Tenho um filho de 4 anos e tem autismo. Me tira do sério as vezes. Não sou de ferro e estou dentro do mesmo contexto dele. Sou a mãe, mas não tem receita, não sou santa. As vezes ele precisa de intervenção e muitas delas, perco a cabeça e lhe dou umas palmadas e depois vou morrer... Fica sempre um sentimento muito ruim em mim, fico péssima, até ele fazer tudo outra vez. Estou errada?!

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Nossa, suas palavras acalmaram meu coração, precisava de uma resposta e Deus me deu através do seu post... tenho uma filha de 2 aninhos e fez ou outra costuma gritar e fazer pirraça para conseguir o que quer e só consigo controlar se der uma chinelada na perninha. Mais fico pra morrer... Se tem intervenção no meu marido que fica ainda mais bravo que eu com esse comportamento dela, aí que eu sofro mesmo... muito obrigada por suas palavras...

    ResponderExcluir
  14. Tenho uma filha de 5 aninhos e desde 1 aninho ela faz umas birras e fica fazendo ânsea também,hoje eu não consegui me controlar e dei uma chinelada na perninha dela. Fiquei para morrer, mau marido se estressa com este comportamento dela e acaba dando chineladas na perninha dela aí que eu acabo de morrer, fico com muito arrependimento e penso que não deveria ter feito isto, mas sei que será o melhor para ela no futuro. Li este post para o meu marido então ele falou comigo "Viu amor não precisa ficar deste jeito que você fica, sei que você é muito sensível mas nós fazemos isto pois é o melhor para nossa princesinha". Obrigado por ter escrito este post...
    Desculpe pelo anônimo é porque não tenho blog.
    Amanda e Felipe pais da Teresa.

    ResponderExcluir
  15. Tenho uma filha de 5 aninhos e desde 1 aninho ela faz umas birras e fica fazendo ânsea também,hoje eu não consegui me controlar e dei uma chinelada na perninha dela. Fiquei para morrer, mau marido se estressa com este comportamento dela e acaba dando chineladas na perninha dela aí que eu acabo de morrer, fico com muito arrependimento e penso que não deveria ter feito isto, mas sei que será o melhor para ela no futuro. Li este post para o meu marido então ele falou comigo "Viu amor não precisa ficar deste jeito que você fica, sei que você é muito sensível mas nós fazemos isto pois é o melhor para nossa princesinha". Obrigado por ter escrito este post...
    Desculpe pelo anônimo é porque não tenho blog.
    Amanda e Felipe pais da Teresa.

    ResponderExcluir
  16. Espero que a autora do blog tenha ao menos se sentido culpada por bater no filho, pois mencionou que é psicóloga e usou interpretações descontextualizadas da bíblia para, numa argumentação carente de razoabilidade, justificar sua atitude. E com isso ganhou o apoio de muitos outros pais que estão tão perdidos quanto ela.
    Pelo artigo, parece que ela preferiu a saída mais fácil e o resultado imediato: é claro que a criança e ainda por cima um bebê vai obedecer, mas os resultados podem ser nefastos a longo prazo, e com certeza não se está educando ou entendendo a criança. O que vi foi o princípio da cultura da violência: "Você me obedece porque sou mais velho, mais forte e sei mais". Skinner, um dos grandes pensadores da Psicologia moderna (estou citando ele porque a autora se disse psicóloga e deve conhece-lo), demostrou após longos estudos que a punição corporal pode produzir o efeito imediato de obediência, e este parece ser o fato dela ser usada até hoje, porem a longo prazo a utilização desta prática é largamente condenada e seus efeitos nocivos já foram apresentados em diversos estudos científicos. Uma informação retirada de uma pesquisa recente: "Pesquisas realizadas com o objetivo de relacionar o recebimento de punição corporal com alguma variável comportamental da criança encontraram prejuízos para o desenvolvimento infantil: as crianças que apanhavam (comparadas com as que não apanhavam) apresentaram auto-estima mais baixa (Larzelere, Klein, Schumm, & Alibrando, 1990), comportamento mais agressivo (Stormshak, Bierman, McMahon, & Lengua, 2000; Strassberg, Dodge, Pettit, & Bates, 994), altos níveis de sintomas psiquiátricos e baixo bem-estar geral (Bachar, Canetti, Bonne, DeNour, & Shaley, 1997)".

    ResponderExcluir
  17. Também sou Psicóloga e não existe fórmula para educar crianças, existem pessoas diferentes, fases diferentes, pessoas mais difíceis e outras mais faceis, uma coisa que aprendi sendo mãe é não julgar nunca, e uma coisa que a criança deve aprender é que nós pais temos nossos limites também, somos humanos e mesmo que desejemos fazer tudo certo nunca conseguiremos,a linha do certo e errado é muito tênue. Eu tenho uma filha e sempre tive na minha cabeça a educação ideal,só que não....na prática tudo é muito diferente, minha filha é criada com muito amor e é muito afetiva...mas já dei sim palmadas nela e morri mesmo de culpa depois, mas realmente nós também somos humanos , se observarmos os animais na natureza que é perfeita veremos que vários dão alguns safanões nos filhotes. Somos animais, agimos muitas vezes por instinto... dar um tapa na bunda é muito diferente de espancar ou bater, mas vou dar um exemplo, minha filha tem dois anos e onze meses e num domingo estava fora de controle, conversamos, explicamos, demos abraços, amor, e ela só piorava, sabemos que essa fase é a fase do despertar para a vida , de se ver como um ser fora da mãe,....sou contra bater , mas nesse dia, depois de todos os recursos esgotados e eu e meu marido exaustos e frustrados ela apanhou na bunda, e depois explicamos se ela tinha entendido o porquê de isso ter ocorrido, e ela disse que sim, crianças testam os limites dos pais o tempo todo principalmente nessa idade de descobertas, a minha filha é uma criança feliz e livre, mas ela tem que entender que se ela mesma bater num colega ela a batera de volta, faz parte da vida.

    No momento que eu não tenho mais recursos para lidar com uma criança que já entende tudo, eu acho que uma palmada não mata ninguém, claro que sim, acho que tem que ser o último recurso depois de tudo ja ter sido tentado....mas não creio nesses estudos,não creio mesmo, já vivi muitas pesquisas e sei como são feitas, bem pouca fidedignas, ainda mais com assuntos tão pouco mensuráveis, meu marido apanhou eé uma pessoa calmíssima ,eu nunca apanhei e sou mais agressiva, nao é isso que define, são inúmeros fatores...mas julgar sem estar no contexto, na pele;;

    Hoje existem mil teorias, cada uma só confunde mais os pais na hora de educar, não se pode gritar, não se pode bater, não se pode ver TV....a gente cria como pode acredito dando nosso melhor, amando com todas as nossas forças, uma criança amada não se sentirá violentada se souber o motivo de estar recebendo determinada punição, o que vejo hoje é mesmo pessoas sem limite, sem respeito, sem educação, sem norte....antigamente não tinha internet para se consolar e temos aí adultos de todos os tipo, passivos, amados, amargurados,os espancados...os que sobreviveram...enfim, nada é definitivo, e tem ainda a forma como a própria criança tolera a frustração das coisas, mas assim é a vida, humanos criando humanos, humanos animais domesticados criando humanos, e ainda acredito que temos que ouvir mais os instintos do que as teorias....Juju dorme na cama com a gente ok? é muito amada e sabe disso, sabe muito e até usa isso como segurança para fazer o que quer...uma palmada é o ultimo recurso, mas ainda assim e melhor do que o sentimento que tive naquele domingo..do que mais eu posso fazer? já esgotei todas as teorias....é a fase....é dificil mesmo lidar com ela, as vezes estamos mais aptos e pacientes as vezes não, isso é se permitir ser humano gente, nos cobremos menos por favor!!!

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde,
    Hoje dei um tapa no bumbum da minha filha de 1 ano e 2 meses, pois ela ja come mal e fica com a comida na boca um tempinho e quando pede agua cospe a comida. Hoje ela fez isso 1 vez e na segunda perdi a paciencia, dei uma brona e dei um tapa no bumbumm mas parece que ela nao entende muito bem, pq fica rindo ou tentando fazer eu rir, ja que fecho a cara pra ela. Não sei se ela entende, mas meu coracao pede que nao, que ela esqueca, pois me arrependo sempre que brigo com ela, o tapa foi o primeiro hoje. Estou no limite da paciência, pois pra ela comer esta muito difícil, faço de tudo pra ela comer, faco comida sempre fresquinha, mas parece que nada agrada. Estou muito triste por perder a paciencia nesse momento da comida. Obrigada, precisava desabafar.
    Luciana Farias

    ResponderExcluir
  19. Boa tarde,
    Hoje dei um tapa no bumbum da minha filha de 1 ano e 2 meses, pois ela ja come mal e fica com a comida na boca um tempinho e quando pede agua cospe a comida. Hoje ela fez isso 1 vez e na segunda perdi a paciencia, dei uma brona e dei um tapa no bumbumm mas parece que ela nao entende muito bem, pq fica rindo ou tentando fazer eu rir, ja que fecho a cara pra ela. Não sei se ela entende, mas meu coracao pede que nao, que ela esqueca, pois me arrependo sempre que brigo com ela, o tapa foi o primeiro hoje. Estou no limite da paciência, pois pra ela comer esta muito difícil, faço de tudo pra ela comer, faco comida sempre fresquinha, mas parece que nada agrada. Estou muito triste por perder a paciencia nesse momento da comida. Obrigada, precisava desabafar.
    Luciana Farias

    ResponderExcluir
  20. Boa tarde,
    Hoje dei um tapa no bumbum da minha filha de 1 ano e 2 meses, pois ela ja come mal e fica com a comida na boca um tempinho e quando pede agua cospe a comida. Hoje ela fez isso 1 vez e na segunda perdi a paciencia, dei uma brona e dei um tapa no bumbumm mas parece que ela nao entende muito bem, pq fica rindo ou tentando fazer eu rir, ja que fecho a cara pra ela. Não sei se ela entende, mas meu coracao pede que nao, que ela esqueca, pois me arrependo sempre que brigo com ela, o tapa foi o primeiro hoje. Estou no limite da paciência, pois pra ela comer esta muito difícil, faço de tudo pra ela comer, faco comida sempre fresquinha, mas parece que nada agrada. Estou muito triste por perder a paciencia nesse momento da comida. Obrigada, precisava desabafar.
    Luciana Farias

    ResponderExcluir
  21. Bom dia ...hoje me deparando com esse blog...me senti um pouco mais aliviada..ontem dei um tapa no bumbum do meu filho Antonio também de 1 ano e 8 meses...ele está me tirando do sério...e estou esgotada de tanto falar, explicar..que não pode isso não pode aquilo...se joga no chão bate a cabeça, bate na minha cara quando tiro algo que ele não pode mexer..dou uns gritos falo converso...e cheguei nesse ponto...depois ele dormiu...e eu fiquei chorando a noite..inteira...porque fiquei arrependida...triste..me sentido culpada...pois trabalho o dia todo e ele fica na escolinha...depois ele fica pouco tempo..comigo...e ainda assim preciso fazer janta pra ele...ajeitar as coisas dar banho etc..não consigo ficar 100% com ele...e isso me deixou ...completamente triste..não é facil...peço a Deus que me dê paciência...porque nós mães...somos muitos sobrecarregadas de tantas coisas...mais amamos incondicionalmente nossos filhos.

    ResponderExcluir
  22. Concordo plenamente tenho um filho de quatro anos,o Lorenzo...Que tem um gênio pra lá de forte....Quando diz que não "quer" é duro na queda!
    Já era pra ter parado com as birras,ontem mesmo perdi a paciência por que quer assistir TV até a hora que ele quer,mas não é assim eu tinha que ter limite,minha mãe me batia e eu aprendi, desliguei a TV aí foi aquele drama,sempre converso,explico, coloco de castigo,mas ontem não deu...Além das birras ele levantou a mão pra me bater,na hora não pensei duas vezes tirei o chinelo e chinelei a bunda dele,se deixo ele me bater com quatro anos estou perdida daqui uns anos... Não sou a favor de espancar mas corrigir sim..Apanhou tomou banho conversei com ele, disse pq ele apanhou me pediu desculpas e foi dormir...Espero que ele não faça mais isso pois doeu mais em mim que nele.

    ResponderExcluir
  23. Oi!
    Nossa... acabou de acontecer comigo. Meu filho está dormindo e eu, chorando de remorço por ter dado um tapa na perninha nele por ele ter feito pirraça e cuspido toda a pasta de dente no chão... eu estava cansada, a tolerância estava baixa.... não tem desculpa, eles são pequenos, não fazem por maldade. Como eu queria poder voltar o relógio em meia hora.... não teria feito de novo. Sempre alivia um pouco ler estes relatos de pais e mães que também perdem a paciência.... mas precisamos aprender a contar até 10.... respirar....esta fase de 3,4,5 aninhos e punk, eles nos desafiam mesmo com pirraças!! Boa sorte para nós, pais! Tarefa difícil sem manual!

    ResponderExcluir
  24. Hj dei umas palmadas na minha filha de 1 ano e nove meses! Confesso que fiquei mal e estou sofrendo muito. Apanhei quando era criança e as lembranças que tenho são as piores possíveis. Não quero criar uma tirana, mas tb não quero bater...

    ResponderExcluir
  25. Hj dei uma palmadinha no meu filho por desobediência e meu marido veio na hora me dizer q eu estava agredindo nosso filho, eu na hora respondi - tem uma grande diferença entre palmada e agressão, estou impondo limites e n espancando ele, apanhei pouquíssimas vezes na minha infância mas as poucas vezes me lembro dos "porquês", vejo muita criança mimada e mal criada, isso na minha opinião é falta de limites.
    Nathalia mãe do Anthony

    ResponderExcluir
  26. A linha entre o certo e o errado é muito tênue. As pesquisas são boas até que se avança na ciência e muitas vezes as derruba. Na teoria tudo é lindo, porém na prática funciona diferente. Em nome do politicamente correto, estamos vendo muitas inversões de valores. Pais que tentando seguir as leis ficam totalmente desorientados e os filhos passam a ser os pequenos tiranos. Sou totalmente contra espancar e castigos severos, mas conduzir o filho para sempre fazer o melhor para ele, considero saudável. E o melhor para ele com certeza não é ser criado mimado e cheio de vontades. A vida muitas vezes bate de forma muito mais dura e tem aumentado o número de suicídio entre adolescentes fruto da criação politicamente correta. Temos que preparar os filhos para conseguirem superar os obstáculos impostos pela vida. Não seres frágeis e egocêntricos. Abaixo o politicamente correto e viva a vida como a grande mestra.

    ResponderExcluir